Hoje, após 9 anos, praticamente, do uso da prótese a minha mãe se sente plenamente confortável com ela e não tem mais a dificuldade que ela tinha no falar, no gesticular, no mastigar. Porém, a gente ainda faz os exercícios de vez em quando para que a gente possa trabalhar outras coisas além dos itens que já eram trabalhados. A cada dia a gente vai descobrindo uma coisa, uma dificuldade diferente e isso vai ajudando. Essa parceria continua até hoje, tanto ela me ajudando quanto eu ajudando ela, acho que formou uma dupla dinâmica. Eu acho que isso foi bem bacana, foi uma experiência espetacular.